Funcionários do tribunal de Seixal em protesto

São revistados todos os dias «como qualquer cidadão suspeito», dizem

Os funcionários do Tribunal do Seixal estão esta segunda-feira concentrados à porta do edifício em protesto contra as «excessivas medidas de revista» diárias a que têm que ser sujeitos desde que ali decorre um julgamento de alta segurança.

Em declarações à Lusa, Fernando Jorge, do Sindicato dos Funcionários Judiciais, explicou que os funcionários opõem-se às «medidas de revista excessivas a que têm que submeter-se diariamente para entrar no tribunal» e «neste momento recusam-se a entrar».

Os funcionários não aceitam ter que ser revistados todos os dias «como qualquer cidadão suspeito»: «Esta é a nossa casa, trabalhamos aqui há muitos anos», acrescentou Fernando Jorge.

No Tribunal do Seixal decorre desde o final de Abril o julgamento de uma alegada rede de extorsão através da prestação de serviços de segurança em bares e discotecas.

Os 24 (inicialmente 26) arguidos são acusados de mais de 100 crimes de homicídio, sequestro, associação criminosa, prática de segurança ilegal em bares e discotecas, porte de arma proibida, entre outros.

À espera

Os cerca de 50 funcionários aguardam o resultado de uma reunião entre o juiz presidente e o sindicato do sector, escreve a Lusa.

O protesto dos funcionários já provocou a suspensão dos julgamentos agendados para esta segunda-feira de manhã.

Entre a multidão ouvem-se reclamações de quem não acha justo «ser considerado um suspeito comum».

in TVI24